Info Online

Secundarista Isadora Faber reúne mais de 10.000 fãs na página “Diário de Classe”. Segundo ela, posts “incomodam” docentes e colegas

Poucas pessoas já tinham ouvido falar da Escola Municipal Maria Tomázio Coelho, localizada na Praia do Santinho, em Florianópolis, Santa Catarina. Hoje, quase 10.000 pessoas acompanham de perto a rotina da escola, graças a uma página no Facebook chamada Diário de Classe, mantida por uma estudante do sétimo ano que publica na rede social fotos, vídeos e comentários sobre a rotina e os problemas da instituição.

Isadora Faber, de 13 anos, criou o Diário em julho e até o começo de agosto tinha pouco mais de 400 fãs. Nas últimas semanas, os conteúdos da página correram pela rede como um viral: somente nesta segunda-feira, a página foi “curtida” mais de 4.000 vezes. “Não esperava que a página fizesse esse sucesso todo. Acho que as pessoas querem realmente saber como as escolas públicas funcionam e elas têm achado interessante o que eu mostro”, diz a estudante.

Na página, Isadora registra todo tipo de reclamação. “Olha, temos um orelhão na escola, mas quem disse que funciona??”, indaga ela em um dos posts. “Esses fios pra fora será que não é perigoso??” (sic), questiona em outro, acompanhado pela fotos de fios desemcapados que, segundo a autora, estariam provocando choque nos colegas de escola. “De 5 aulas de hoje, só tivemos 2 com os professores titulares, as outras 3 foram com professoras substitutas. Quando temos aulas com auxiliares elas dão um texto e uma pergunta e é sempre isso, acho que o tempo poderia ser melhor aproveitado”, conclui.

Segundo ela, as reclamações virtuais têm incomodado os docentes. “Eles me pedem sempre para eu tirar a página do ar, mas não vou tirar. Acho que não estou incomodando ninguém. Só quero ter uma educação de qualidade. É isso que me motiva a fazer esse diário”, conta. A reportagem tentou contato com a direção da Escola Municipal Maria Tomázia Coelho, mas a diretora não foi encontrada para comentar o assunto.

Alguma reclamações já teriam surtido efeito. Ventiladores quebrados teriam sido substituídos depois que Isadora postou fotos dos aparelhos estragados no Facebook. As maçanetas dos banheiros também teriam sido reparadas e os fios, trocados para evitar acidentes.

Também não tem sido fácil convencer os amigos, segundo Isadora. “Eles acham que eu estou publicando essas coisas para prejudicar a escola. Fora da escola, eles até me apoiam. Lá, porém, dizem que são contra.” Isadora diz que mantém a página sozinha: todos os textos e fotos são postados por ela mesma. Uma irmã ajuda na gravação dos vídeos.

A mãe de Isadora, Mel Faber, tem conhecimento da iniciativa da filha e se diz feliz pela repercussão que a página vem ganhando. “Quando ela me disse que queria colocar tudo isso na internet, eu a alertei: disse que ela poderia receber represálias na escola e que deveria estar pronta para encarar críticas de frente”, conta Mel. “Mas ela disse que estava ciente da sua responsabilidade.”

Isadora diz que sua inspiração veio da Grã-Bretanha. Na Escócia, a pequena Martha Payne, de 9 anos, criou um blog para criticar a qualidade da merenda de sua escola. Todos os dias, ela fotografava a refeição e postava na página intitulada “Never Seconds”. Depois de o blog receber mais de 1 milhão de acessos, a secretaria de educação da cidade de Argyll se pronunciou sobre a qualidade da merenda escolar e pressionou por mudanças. Até o famoso chef Jamie Oliver se manifestou nas redes sociais em apoio à estudante. “Vi que lá tinha dado certo. Pensei que aqui também poderia ter algum efeito”, diz Isadora.