G1

Acidente deixou 3 mortos e 70 desaparecidos, segundo autoridades locais. Não há informação de brasileiros entre mortos, feridos ou desaparecidos.

A empresa Costa Cruzeiros informou que havia 46 brasileiros entre os 3.200 passageiros e 1.000 tripulantes do barco de cruzeiro da empresa que naufragou na véspera no Mar Mediterrâneo, no litoral da Itália. De acordo com autoridades italianas, o acidente deixou três passageiros mortos, 14 feridos e pelo menos 70 desaparecidos.

O navio encalhou em um banco de areia próximo à ilha de Giglio, na Toscana, região central da Itália, teve seu casco quebrado, virou e ficou parcialmente submerso. As vítimas morreram afogadas. Os desaparecidos podem ter procurado abrigo na ilha. Segundo o Itamaraty, brasileiros que estavam entre os passageiros do navio da Costa Cruzeiros entraram em contato por telefone com o consulado do país em Roma.

Ainda não há informações sobre se haveria brasileiros entre os mortos, feridos ou desaparecidos, disse o Itamaraty. O consulado em Roma está em contato com as autoridades italianas e vai prestar toda a assistência necessária aos brasileiros, informou o Itamaraty.

Segundo a imprensa local, a retirada dos últimos passageiros e membros da tripulação do navio Costa Concordia apresentou complicações. Muitos dos 3.200 passageiros e 1.023 tripulantes foram levados para o porto de Santo Stefano, no continente, onde estavam abrigados em escolas, igrejas e outros edifícios públicos. Um dos passageiros do Costa Concordia disse à imprensa italiana que, por volta das 21h30 (18h30 no horário de Brasília), “todos estavam jantando quando a luz apagou, houve um tranco e os pratos caíram da mesa”.

Quando a luz voltou, o comandante do navio anunciou uma avaria no gerador elétrico e garantiu um conserto rápido, mas um vazamento de água se abriu no navio, que ficou inclinado. A tripulação pediu que todos colocassem os coletes salva-vidas e logo veio a ordem para abandonar o navio, disse o passageiro. Antes disso, muitos passageiros, apavorados, teriam se jogado na água, segundo testemunhas.

Outra passageira, a jornalista Mara Parmegiani, descreveu “cenas de pânico dignas do ‘Titanic’”, com empurrões entre os passageiros, gritos e choro. Ela também denunciou o que considerou a falta de preparação da tripulação, afirmando que houve problemas quando os botes salva-vidas foram lançados ao mar e que alguns coletes salva-vidas não funcionaram.

Unidades da Guarda Costeira, navios mercantes e ferrys garantiram a evacuação dos passageiros e tripulantes. No total, 12 navios e 9 helicópteros foram mobilizados para verificar se não há ninguém no mar, segundo o porta-voz da capitania de Livorno, Emilio Del Santos. Mergulhadores iriam entrar no navio para procurar eventuais corpos que podem ter ficado presos.

Causas desconhecidas

A Costa Cruzeiros, dona do barco, se declarou “consternada” e expressou seus pêsames às famílias. Indicou que não é possível determinar de imediato as causas do acidente e assegurou que a retirada foi rápida, apesar de difícil, já que estava entrando muita água no barco.

Passageiros resgatados do navio desembarcam neste sábado (14) em Porto Santo Stefano

O navio, que partiu na sexta de Civitavecchia, na região de Roma, faria um cruzeiro de uma semana pelo Mar Mediterrâneo com escalas programadas pelas cidades de Savona, Marselha, Barcelona, Palma de Mallorca, Cagliari e Palermo, informou a assessoria de imprensa da matriz da empresa.

O Costa Concordia, de 290 metros, tem 58 quartos com suíte e balcão, cinco restaurantes, 13 bares e quatro piscinas. O site da operadora aparentemente entrou em colapso diante do volume de acessos, mas a empresa pôs à disposição uma linha telefônica para responder aos pedidos de informação. A Costa informou que vai cooperar plenamente com as autoridades. A empresa, por intermédio de sua assessoria de imprensa no Brasil, deixou disponíveis os seguintes números de telefone para informações: 55 11 2123-3673 e 55 11 2123-3679.

Leia íntegra da nota da assessoria:

“O Grupo Costa confirma a evacuação de cerca de 3.200 passageiros e 1.000 tripulantes a bordo do navio Costa Concórdia, próximo da Ilha de Giglio, na Itália.

A evacuação começou imediatamente, porém a posição do navio está dificultando a finalização do processo.

Até o momento, não é possível determinar as razões do problema ocorrido.

A companhia trabalha com o compromisso de prover a assistência necessária.

O Costa Concórdia navegava pelo Mar Mediterrâneo, depois de zarpar de Civitavecchia e com escalas programadas por Savona, Marselha, Barcelona, Palma de Mallorca, Cagliari e Palermo.

Cerca de 1.000 passageiros têm nacionalidade italiana, enquanto cerca de 500 são alemães e 160 franceses.

Entre os hóspedes estavam 46 brasileiros. “