EPTV

Vídeo feito por testemunha mostraria uma cobra cercando as garotas dentro da água. Motivo da morte das garotas é constestado por especialistas.

Um vídeo que circula na internet tem intrigado muita gente. As imagens são fortes e mostram o momento em que duas adolescentes se afogam no Rio Sapucaí, em Itajubá, no Sul de Minas. O fato aconteceu no dia 1º de maio e provocou a morte das adolescentes Michele Tainá Bittencourt, de 16 anos e a amiga dela, Vanessa Cristina Moreira, de 17. Nas imagens, algo se move na água, parecido com uma cobra e muitos acreditam que ela pode ter causado a morte das jovens. Confira o vídeo completo, de quase 9 minutos:



Populares correm para tirar meninas da água. Cobra poderia te-las arrastado para o fundo do rio

O vídeo postado na internet já foi assistido mais de 300 mil vezes. As imagens, gravadas com a câmera de um telefone celular, mostram um grupo de amigos se divertindo no Rio Sapucaí, em Itajubá. Minutos depois a movimentação de algo na água faz duas meninas gritarem em pânico. Como a qualidade das imagens não é boa, em um dos trechos é possível identificar algo parecido com uma cobra.

Local e opiniões divergentes

O lugar onde ocorreu o afogamento fica no bairro Canta Galo, a cerca de seis quilômetros do Centro de Itajubá. O local é muito frequentado nos finais de semana por pessoas que vão nadar no Rio Sapucaí. Moradores próximos dizem que já viram uma grande cobra no local. Já os militares do Corpo de Bombeiros, que fizeram o atendimento às vítimas, não acreditam que elas tenham sido atacadas. O médico legista José Henrique Schumann Neto, que fez a autópsia nos corpos, também descarta a possibilidade de ataque. Segundo ele, os corpos não apresentavam ferimentos.

Segundo o biológo Flávio Vasconcelos, que também analisou as imagens, a região não é o habitat natural de serpentes como a sucuri, por exemplo. Porém, o biólogo afirma que algumas espécies de cobra teriam condições de arrastar uma pessoa para dentro da água. O estudante que aparece nas imagens arrastando a casca de bananeira disse que não viu cobra ou outro animal por perto. Uma tia de uma das meninas que se afogaram, estava na beira do rio no momento do acidente. Ela diz que não viu nada de estranho na água e que não teve como ajudar as adolescentes.

Já o chefe da polícia técnico-científica, Eliéber Teixeira, a delegacia de Itajubá, tem uma opinião diferente sobre o caso: “A presença de um animal ali é bastante visível. Que animal é, nós temos um pouco de dúvida. Mas tudo leva a crer que se trata de uma serpente realmente. Elas estavam em um lugar raso, com a água na altura do tórax. Elas assustam, gritam e são puxadas para dentro da água por alguma coisa”. Por isso ele pretende aprofundar a investigação.