O Globo

Em vídeo, Isabela reclama por que o pai fechou a porta. Exibições no YouTube quase batem a marca de 2 milhões.

Isabela, de 2 anos, depois de buscar alguns brinquedos no quarto, volta para brincar no quintal e encontra a porta fechada. Para buscar explicações, ela entra no quarto, indignada, e pergunta para o pai: “Por que ‘fechar’ a porta?”. Uma cena do dia a dia de uma família brasileira se tornou um hit no YouTube neste mês, batendo quase a marca de 2 milhões de acessos.

O vídeo foi postado pelo pai, Felipe Horst, de 27 anos, no dia 30 de setembro. Ele e a mulher, Stephanie Thomas, de 25 anos, estão acostumados a publicar fotos e vídeos da filha na internet. Até fevereiro deste ano, eles moravam em Goiás e, para mostrar o crescimento de Isabela aos avôs, que moram no Rio Grande do Sul, o meio mais fácil encontrado foi a web.

“Como todo pai de criança pequena, estamos acostumados a gravar momentos do filho para guardar de recordação”, explica Felipe.

Ele conta que, no dia do vídeo, Isabela ainda não tinha completado 2 anos. Ela estava no jardim da casa onde eles moram hoje, em Montenegro (RS), quando começou a anoitecer. Isabela decidiu ir no quarto buscar mais brinquedos. Nesse momento, Felipe fechou a porta que dá acesso ao quintal.

“Quando ela voltou e se deparou com a porta fechada, ela disparou em minha direção. Quando vi a reação dela, eu liguei a câmera para gravar a cena”, disse Felipe.

No vídeo, os maiores comentários são referentes às expressões “pode ser” e “tranquilo”, usadas por Isabela. Segundo Felipe, como ela ainda está desenvolvendo a fala, Isabela tenta imitar o que os pais falam. “O ‘pode ser’ ela pegou da mãe, que sempre tenta negociar com ela usando essa expressão. O ‘tranquilo’ ela pegou de mim”.

Além do grande número de acessos, o vídeo está na posição 84 entre os 100 vídeos mais bem avaliados do YouTube. “Eu sabia que o vídeo era muito bom, mas não posso falar porque sou o pai. Porém a gente nunca espera que um vídeo caseiro se torne viral”, conta Felipe, que é designer gráfico.

Segurança
Segundo um estudo divulgado pela empresa de segurança on-line AVG, 90% das crianças americanas com menos de 2 anos já possuem alguma forma de representação na web. A pesquisa ouviu 2,2 mil mães e mostrou que os pais publicam conteúdo sobre os filhos, como fotos e perfis em redes sociais, antes do nascimento.

Sobre a privacidade de Isabela, Felipe acredita que essa exposição não fará nenhum mal a ela. “A internet é uma ferramenta muito prática para se comunicar com a família e amigos”, explica. Mesmo assim, ele faz a moderação dos comentários que são postados no YouTube. “Existe sempre o pessoal do contra, que critica e condena a atitude de Isabela. Mas temos que saber lidar com as críticas”, completa.

Problema no braço
No vídeo, é possível reparar que Isabela não mexe o braço direito. Segundo Felipe, ela sofreu uma grave lesão do plexo braquial direito, conjunto de nervos responsável pelo movimento, durante o parto. Depois de uma cirurgia em maio, Isabela segue fazendo fisioterapia para melhorar os movimentos. “Hoje, ela já consegue mover o braço um pouco mais e estamos observando uma recuperação mais rápida”.