do G1

Lanussa Martins morreu em hospital do Distrito Federal, durante cirurgia. Promotor quer saber se houve erro médico em procedimento.

O corpo da jornalista Lanusse Martins foi enterrado na tarde desta terça-feira (26), no Campo da Boa Esperança, em Brasília (DF). A jornalista, de 27 anos, morreu na segunda-feira (25) em uma clínica particular, após uma cirurgia de lipoaspiração.

O promotor Diaulas Ribeiro abriu nesta terça-feira uma investigação criminal para apurar se houve erro médico durante a cirurgia de lipoescultura. Segundo investigações preliminares da Polícia Civil, Lanusse foi vítima de choque hipovolêmico, provocado por uma perfuração.

Segundo o promotor, se ficar comprovada a responsabilidade de médicos, eles podem responder a processo judicial. Já a delegacia da Asa Sul, bairro onde ocorrer a cirurgia, abriu inquérito para apurar o caso. Lanusse Martins tinha 27 anos e trabalhava da TV Justiça. No ano passado, ela foi repórter do Bom Dia DF, da TV Globo.

A cirurgia de lipoescultura que terminou de forma trágica foi realizada pelo médico Hackel Cabral Mendes. A direção do hospital onde ele trabalha não quis gravar entrevista, mas informou que tem licença da vigilância sanitária e aparelhos para ressuscitar pacientes. Os médicos tentaram reanimar Lanusse por uma hora, mas ela não reagiu.

Os peritos explicaram que ela teve uma lesão grande, provocada por instrumento cirúrgico, o que ocasionou a ruptura da parede de algum órgão ou vaso sanguíneo.